Segunda - Sexta 07:00 - 19:00

2º Sábado de cada mês

(11) 3021-5251

WhatsApp / Fixo

(11) 3021-3678

Fixo

VOCÊ COSTUMA DORMIR POUCO? CUIDADO, ISSO PODE PREJUDICAR SEU CÉREBRO!

VOCÊ COSTUMA DORMIR POUCO? CUIDADO, ISSO PODE PREJUDICAR SEU CÉREBRO!

Gente, nossa vida de hoje está uma loucura, não? Seja pela correria do dia a dia, pelos mil afazeres em casa depois do trabalho ou por ser perseguido pela insônia, o fato é que dormir bem é um privilégio para poucos. Alguns até acabam se acostumando com isso e nem reclamam muito… mas quem sente falta daquele soninho gostoso deve, sim, procurar ajuda médica! Um estudo norte-americano recentemente publicado na revista Journal of Neuroscience mostrou que ficar sem dormir pode causar danos irreversíveis às células cerebrais e até mesmo a perda de neurônios.

Para comprovar essa hipótese, alguns camundongos foram examinados após períodos de sono curtos, longos e normais, tal como acontece na rotina de alguém que não consegue dormir a mesma quantidade de horas todas as noites. Como resultado, ao longo prazo, foi observada uma queda na quantidade da proteína que controla a produção de energia das mitocôndrias (SirT3) e a perda de 25% dos neurônios responsáveis pelo controle metabólico.

Bom, precisa falar mais alguma coisa? Uma boa noite de sono reflete em algumas funções essenciais para o nosso organismo, como a distribuição de energia, o metabolismo e, possivelmente, outras áreas importantes do cérebro. Além de ter quantidade de horas, ainda é importante ter um certo “ritmo” de sono, ou seja, manter o horário de dormir e de acordar o mais estável possível, evitando noites que alternam sono curto e longo.

Portanto, você que achava que dormir, no mínimo, 6 horas por noite, em ambientes silenciosos, sem claridade, era besteira, está na hora de rever seus conceitos! Caso você de insônia mais duradoura procure um especialista!

Como nós somos apaixonadas pelo estudo do zumbido, já aproveito para dizer que alguns distúrbios de sono – como a apneia obstrutiva e a insônia inicial, medial ou final – podem ter relação com o zumbido. Portanto, essa é mais uma justificativa para procurar tratamento…