Segunda - Sexta 07:00 - 19:00

2º Sábado de cada mês

(11) 3021-5251

WhatsApp / Fixo

(11) 3021-3678

Fixo

 

Blog

Todo munda pensa (errado) que zumbido é coisa da 3ª idade

Com a seriedade de sempre, já tivemos oportunidade de realizar 2 pesquisas aprovadas e financiadas pela FAPESP sobre zumbido em crianças e adolescentes. Nelas foram estudadas 506 crianças entre 5 e 12 anos, moradoras de Lajeado, RS (Coelho et al, 2007) e 170 adolescentes de 11 a 17 anos, moradores…

Nem os ouvidos escapam do efeito dos hormônios sexuais

Março é o mês das mulheres e isso me lembra de tantas coisas misturadas: força com gentileza, superação com coragem, gestação e maternidade com amor incondicional, emoção com lágrimas, tempestade hormonal etc. Mulher tem a ver com muita coisa! Hoje escolhi falar sobre mulheres e hormônios sexuais. Todo mundo sabe…

Ouvidos e intestinos: o que eles têm em comum?

Quando entrei na Residência Médica em Otorrinolaringologia no Hospital das Clínicas da USP, o Professor Titular Aroldo Miniti já falava que o ouvido era um órgão frágil, por isso ele ficava doente antes de outras partes do corpo. Aquela frase sempre ficou na minha mente. Anos depois, quando decidi que…

Coronavírus além da síndrome respiratória

A essa altura, você já leu muita coisa sobre coronavírus, certo? Também ficou confuso e com medo após tantas previsões contraditórias, né? Aos poucos vamos separando o joio do trigo, o ruído do sinal. Isso evita o pânico e os típicos comportamentos e atitudes que só atrapalham. Abaixo você verá…

“Epidemia” de zumbido e de Alzheimer – já percebeu?

Muita gente pensa no zumbido como um problema isolado, mas ele dificilmente aparece sozinho. A perda de audição – em qualquer grau – é a acompanhante mais comum do zumbido. Aliás, algumas pessoas só ficam sabendo que têm perda porque decidem investigar o zumbido.  Nós gostamos de rapidez no diagnóstico…

O IGS apoia o Janeiro Branco

O que o Janeiro Branco (campanha a favor da Saúde Mental) tem a ver com os ouvidos? O Instituto Ganz Sanchez apoia e ajuda a divulgar o Janeiro Branco. Afinal, doenças mentais comprometem pro-fun-da-men-te os relacionamentos afetivos, familiares, sociais, profissionais, institucionais e/ou governamentais. Só por isso, o assunto já merece nosso…