Segunda - Sexta 07:00 - 19:00

2º Sábado de cada mês

(11) 3021-5251

WhatsApp / Fixo

(11) 3021-3678

Fixo

BAROTRAUMA: O QUE É E COMO EVITAR?

BAROTRAUMA: O QUE É E COMO EVITAR?

Você deve ter lido recentemente que o cantor Justin Bieber, um dos queridinhos das adolescentes, vai operar os ouvidos. Por mais que ele e todos os cantores sejam do grupo de rico para lesar os ouvidos pelo som alto, a cirurgia não vai ser por causa disso, não.
Segundo fontes, ele teve uma ruptura do tímpano (membrana interna que separa o ouvido externo do ouvido médio) durante uma brincadeira em que saltou de um penhasco para o mar. Provavelmente ele teve um barotrauma, ou seja, uma lesão por diferença abrupta de pressão atmosférica.

Fica mais fácil entender se lembrarmos que todos nós sentimos algo diferente nos ouvidos – em geral uma sensação de tampado – durante a subida ou descida de carro para o litoral, em decolagens e aterrissagens de avião, em mergulhos de apneia ou de cilindro, em saltos do trampolim ou até mesmo em determinados elevadores modernos de edifícios altos que sobem ou descem muito rápido. Isso é normal, dura pouco tempo e significa que os nossos ouvidos estão tentando equalizar essa diferença de pressão atmosférica.

Entretanto, em algumas situações os ouvidos não conseguem equalizar a mudança de pressão. Nesses casos, a sensação de entupimento dos ouvidos dura mais tempo e pode ser acompanhada de dor, ruptura dos tímpanos ou sangramento no ouvido médio. Aí sim, fica confirmado o barotrauma. E pasmem… muitos dos barotraumas no ouvido acontecem em pessoas que têm problemas de NARIZ, ou seja, que estão resfriados ou em crises de rinite ou sinusite, já que esses problemas respiratórios dificultam a equalização da pressão no ouvido.

Um pulo do penhasco implica que o cantor estava alguns metros acima do nível do mar. Quando pulamos na água, existe grande diferença de pressão atmosférica quando aprofundamos do 1º para o 2º metro. O fato dele ter pulado do penhasco deve ter feito os tímpanos estourarem durante essa fase do mergulho. Quando a perfuração do tímpano não se cicatriza espontaneamente, é necessário fazer uma cirurgia para fechá-la artificialmente, pois o tímpano íntegro é parte importante do processo de audição normal.